OPINIÃO

Idéias e opiniões socialistas sobre Sorocaba

História da Riqueza do Homem .

Posted by alexproenca em maio 19, 2009


Leo Huberman

ÍNDICE

Prefácio 7

Parte I – DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO

Capítulo I – Sacerdotes, Guerreiros e Trabalhadores 11

O trabalho na Idade Média – O sistema agrícola – O servo e o senhor – A situação da nobreza, da realeza e do clero.

Capítulo II – Entra em Cena o Comerciante 25

O investimento da riqueza na Idade Média – O intercâmbio de mercadorias – As Cruzadas e o comércio – Mercados e feiras.

Capítulo III – Rumo à Cidade 35

O comércio e as cidades – Surgem as corporações – Choque entre a cidade e o senhor feudal – Cresce a influência dos mercadores.

Capítulo IV – Surgem Novas Idéias 45

Usura e juro na Idade Média – A posição da Igreja – Os velhos conceitos prejudicam as transações.

Capítulo V – O Camponês Rompe Amarras 51

Modifica-se a situação do camponês que começa a ser dono da terra – Novo regime de trabalho – As revoltas camponesas.

Capítulo VI – “E Nenhum Estrangeiro Trabalhará…” 62

Modifica-se também a indústria – Surge o artesanato profissional – O regime das corporações – O justo preço – O burguês começa a substituir o senhor

feudal.

Capítulo VII – Ai Vem o Rei! 78

Universalismo e nacionalismo: desponta o sentimento nacional – A burguesia sustenta o rei – Decadência das grandes corporações – A Igreja e a Reforma.

Capítulo VIII – “Homem Rico” 93

A desvalorização da moeda pelos reis – Acumulação de ouro e prata – As grandes viagens e descobertas – A Revolução Comercial – Os grandes banqueiros.

Capítulo IX – …”Homem Pobre, Mendigo, Ladrão” 107

A influência prejudicial das guerras – Influxo de metais preciosos e elevação dos preços – Lucram os mercadores, perdem os governos e os trabalhadores – Conseqüências na agricultura.

Capítulo X – Precisam-se de Trabalhadores – Crianças de Dois Anos Podem Candidatar-se 119

Expansão do mercado – O intermediário e o industrial incipiente – Reação das corporações – Os três sistemas de produção.

Capítulo XI – “Ouro, Grandeza e Glória” 129

O que faz a riqueza de um país? – Acumulação de tesouros – Estímulos à indústria – Migração de trabalhadores – Riqueza pelo transporte marítimo – Colônias – A política mercantilista.

Capítulo XII – Deixem-nos em Paz! 143

Revolta contra o mercantilismo – A doutrina do laissez faire – Os fisiocratas – O conceito de renda nacional – O comércio livre.

Capítulo XIII – “A Velha Ordem Mudou…” 155

Só os pobres pagavam impostos – O progresso abre os olhos do camponês – A Revolução Francesa – A burguesia: quem era? – A burguesia lidera, camponeses e trabalhadores lutam – O Código Napoleônico, vitória burguesa.

Parte II – DO CAPITALISMO AO…?

Capítulo XIV – De Onde Vem o Dinheiro 187

Dinheiro que é capital e dinheiro que não é – O capital e os meios de produção – Como os impérios acumulam capital para a indústria moderna – Novas formas de produção, nova religião.

Capítulo XV – Revolução -Na Indústria, Agricultura, Transporte 183

A máquina a vapor – O crescimento demográfico – O novo tipo de vida no século XVIII.

Capítulo XVI – “A Semente Que Semeais, Outro Colhe”… 187

A situação dos trabalhadores durante e depois da Revolução Industrial do século XIX – O regime fabril – O trabalho das crianças – A revolta contra as máquinas – Os sindicatos e o voto.

Capítulo XVII – “Leis Naturais” de Quem? 207

As leis naturais da Economia clássica – A economia individual e a economia da sociedade – O malthusianismo -Ricardo e o valor do trabalho.

Capítulo XVIII – “Trabalhadores de Todos os Países, Uni-vos!” 225

Os sonhadores de utopias – O socialismo idealista ou utópico – Surge Marx: o socialismo sem utopia – Porque o socialismo é inevitável – Marx e o trabalho: a mais- -valia – As contradições do sistema capitalista.

Capítulo XIX – “Eu Anexaria os Planetas, se Pudesse…” 246

Uma nova teoria do valor – A teoria marginal da utilidade – As tarifas protetoras – O crescimento da grande Indústria – Trustes, cartéis, combinações – Os excedentes de mercadorias e de capital – Solução: as colônias.

Capítulo XX – O Elo Mais Fraco 271

As crises capitalistas – Suas explicações – A tendência decrescente do lucro – Capital variável e capital constante ou fixo.

Capítulo XXI – A Rússia Tem um Plano 285

A Revolução Russa – Lênin e a arte da revolução – Coletivo, ao invés de individual – Os grandes problemas econômicos da Rússia – Planejamento nacional socialista – O comércio externo e o monopólio estatal.

Capítulo XXII – Desistirão Eles do Açúcar? 306

Pobreza em meio à abundância – O planejamento capitalista, suas características – O obstáculo: a propriedade privada – Oposição à economia

nacionalmente planificada – A coordenação central capitalista: fascismo – Fascismo e guerra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: